Meu novo amigo hetero

Aconteceu comigo, eu conheci um menino em uma viagem com uns amigos, todos gay, para praia. Ele era o único menino hetero, era irmão do ex namorado de um dos meus amigos. Quando o vi pela primeira vez Moreno, olhos pretos, cabelos castanho escuro, corpo todo definido e um sorriso lindo, eu tremi meu corpo todo. Nos olhamos e eu precisava sentir aquele corpo. Bom passamos o feriado curtindo, fiquei com alguns dos meus meninos, mais meu desejo era aquele menino, e eu sentia que ele tinha um ar de curiosidade. Nos aproximamos bastante naqueles dias, e acabamos ficando amigos, ele me abraçava, e eu sentia aquele corpo bronzeado e suado, até sentia vergonha, ele

aquele hetero que fala tocando na gente, eu odeio isso, mais ele eu queria sempre mais. Chegou o dia de ir embora, os demais amigos já tinham comprado as passagens e foram embora no domingo a noite, ficou o meu mais novo amigo e eu, para irmos na rodoviária comprar as passagem. Nos arrumamos e eu rezava para não conseguir ir embora e passar mais um tempo com aquele menino. Chegamos no ponto de ônibus, e nada do ônibus passar, horas depois decidimos voltar para o apartamento, afinal estava alugado até a segunda de manhã. Íamos dormir e ir embora no primeiro horário da segunda. Ele como todos os dias, ia dormir só de shorts e estava um calor dormi só de sunga. Ele me deu um abraço já deitados no colchão no meio da sala do apartamento. Senti aquele corpo quente, forte e um misto de desejos me tomou. Procurei sua boca na penumbra da noite, e para minha surpresa a mesma estava a minha procura, ao se encontrar senti aquela língua quente e húmida invadir minha boca e tomar conta dela, aqueles lábios carnudos ao envolver os meus, aquela mão quente e com alguns calos (devido musculação) passar nas minhas costas e eu poder sentir aquele peitoral indo de encontro ao meu e deslizando, senti aquela mão entrar em minha sunga abraçar minha bunda, e um dedo deslizar para minha entrada do ânus, e da leves apertos, senti algo indo de encontro ao meu pau, que duro estava encontrou outro duro como uma rocha, e dançando em uma sintonia ampos os paus se encostava ainda vestidos. Desci minha mão para sentir aquele membro e aí pegar estava quente, pulsando e já úmido, desci percorrendo aquele corpo nú, já, com minha língua e invadiu minha boca com aquele membro quente, grosso e grande, no mesmo momento ele forçava minha cabeça para baixo, e eu sentia seu pau romper minha garganta e voltar. Após sentir aquele misto de desejos, ele me puxa invadi minha boca com aquela língua maravilhosa e me deixa de quatro, e é a vez da minha bunda sentir aquela língua atrevida, com leves mordidas ele inicia meu preferido castigo, e em poucos minutos meu cu começa a sentir aquela sensação já sentida pela minha boca, aquela língua grande, quente e úmida invadindo meu cu, em movimentos sincronizados e aleatórios ao mesmo tempo, com direito a beijos e tapas, meu rosto colado no colchão e minha bunda empinada para cima. Depois de longos, e maravilhosos minutos, sinto aquele cuspe em meu cu, deixando o mais úmido, e em seguida algo forçando a entrada, aquele pau maravilhoso, invadindo meu cu, forçando sua entrada, algo doloroso e misto de prazer, foi difícil mais ele consegue colocar aquela cabeça roliça e quente, aos poucos ele introduz o resto do corpo do seu pau, sinto seu saco encostar na minha pele. E aquele movimento de ir e vir, ele puxa meu cabelo, forçando meu pescoço para trás e dando vários tapas na minha bunda. E ele enfiava aquele pau até o fim e tirava todo, e ao voltar a enfiar em alguns momentos mais devagar, era uma eternidade maravilhosa sentir tudo aquilo entrar aos poucos e para sair?! Eu dando leves piscadas com a musculatura anal, ele me puxa e deixa de pernas para cima e novamente enfia seu pau sem pedir licença e aperta meu pescoço com sua mão quente e forte, com a outra segura minha perna e eleva meu quadril para melhor enfiar seu pau no meu cu. Por diversos minutos pedia para aquilo não acabar, e ao mesmo tempo já não aguentando mais, era grande demais, e nunca havia sentido algo daquele, muito menos dá para alguém tão dotado. Após algum tempo onde o suor já tomava conta de nossos corpos nú, sentia pingos de seu suor salgado escorrer da ponta do seu cabelo e ir de encontro ao meu rosto, eu gemia de tanto prazer, como disse antes, nunca sentido, ele metia com tanta força e vontade que eu queria passar o resto da minha existência com seu pau dentro de mim. Mas como tudo que é bom dura pouco, senti seu pau bombar dentro de mim e em seguida seu líquido bem quente e espesso invadir meu cu, e enche-lo, ele dá mais algumas bombadas para se certificar que até a última gota ficará comigo. E no momento de retirá seu pau ele invade minha boca novamente com sua língua, e nem precisou me tocar, meu gozo explode e ao mesmo tempo sinto seu gozo, que fora deixado dentro de mim, escorrer entre minha bunda. Ele se joga no colchão de braços e pernas esticados, sento no colchão ainda ofegante, e juro que nunca havia visto uma cena tão linda, aquele corpo suado, estirado e ofegante em um colchão no chão da sala de um apartamento alugado. Por alguns minutos admirei aquele corpo moreno, definido, perfeito e agora suado no misto de suor e gozo, me aproximei dele ainda deitado e deitei metade de meu corpo, ainda trêmulo, em metade do seu corpo quente, e ali permanecemos por alguns minutos, e aquele misto de felicidade e prazer me tomou conta, uma satisfação, um desejo de quero mais, e mil pensamentos na cabeça. Claro que eu quis mais e mais. Uma noite de puro e total prazer com aquele meu amor de verão.

Deixe um comentário

CAPTCHA