Minhas fantasias – Parte 1

A história que venho contar é verdadeira e aconteceu a pouco tempo atrás, quando eu ainda era virgem e resolvi realizar todos os meus desejos e sentir prazer de verdade.
Tenho 22 anos, sou morena, cabelo grande, seios não tão grandes, porém redondinhos e macios. Tenho a bunda proporcional ao meu corpo, e modesta parte, deixo a os homens de boca aberta, pois sou realmente gostosa.
Sempre tive um pé atrás com o sexo, mas ultimamente eu estava ficando excitada todos os dias e só de ver algo relacionado a sexo, eu ficava molhadinha. Foi então que resolvi aproveitar que moro sozinha e realizar todos meus desejos.

Era uma sexta feira a noite, tinha saído com umas amigas para ir em um barzinho e quando já estávamos um pouco bêbadas chamamos um taxi para ir para casa. Cada uma seguiu seu percurso. Minha primeira fantasia seria realizada, o taxista.
Entrei no taxi, dei uma boa analisada no motorista. Não era o homem mais bonito do mundo, mas era um homem de uns 35 anos, moreno, com uma aliança de casado e simpático.
– Se puder ir um pouco mais rápido, não estou me sentindo bem.. – Menti e comecei a respirar fundo.
– Claro, logo chegaremos. – Ele disse e pude ver o sorriso dele pelo retrovisor. Eu estava nervosa, tinha que da certo e a bebida me encorajava.
Estavamos passando por um bairro onde as ruas estavam super desertas, até porque já era de madrugada. Era o momento certo.
– Pare, por favor! – Pedi e abri a janela do carro. Ele fez o que eu pedi e virou-se para trás para poder me ver. Olhei para ele, e comecei a abrir um pouco minha blusa. – Está muito abafado, preciso respirar um pouco.
Meu sutiã já estava a mostra, e eu percebi que ele desviou o olhar para os meus seios.
– Olha, acho que meu coração está disparado, talvez eu tenha bebido demais. – Afirmei pegando a mão dele e colocando encima do meu peito. Respirei fundo e apertei a mão dele no meu peito. Senti uma onda quente percorrer meu corpo. Ele já sabia que eu estava me oferecendo. Olhei bem nos olhos dele, ainda sentindo sua mão no meu peito, puxei ela para cima e coloquei um de seus dedos em minha boca e chupei. Pude ver em sua cara que ele não conseguiria mais fugir.
– O que você está fazendo garota¿ – Ele perguntou e me olhou como se me comesse com os olhos. Eu não respondi nada, era hora de fazer. Abri a porta traseira, sai do carro e entrei na dianteira. Sentei no banco de passageiro ao seu lado e nem esperei ele dizer nada e o beijei. Beijei com vontade e pude sentir o o corpo dele estava quente como o meu. Comecei acariciar seu pau por cima da calça, mas eu estava sentindo um vontade de senti-lo em minha boca que não aguentei, abri sua calça com rapidez e segurei em seu pau. Pude sentir em minha mãos enquanto ele enrijecia, comecei fazer um vai e vem e aproximei meus lábios. Primeiro a cabeça, chupei devagar, ainda um pouco receosa, mas depois algo tomou conta do meu corpo, eu queria mais, e então chupei com mais vontade, querendo colocar tudo na boca. Ele forçava minha cabeça e eu engasgava, mas era bom, era muito gostoso. Tirei tudo da boca e passei nos meus lábios, bati na minha cara e olhei para ele.
– Falta só uma coisa para eu me sentir melhor. – Falei enquanto tirava o restante da minha roupa. Ele empurrava o banco para tras, procurando obter mais espaço e eu não queria perder tempo, fui pra cima dele, uma perna em cada lado de sua cintura, peguei seu pau e passei por toda minha boceta.
– Senta, geme pra mim. – Quando ele disse isso, eu não resisti, eu só queria sentar em seu pau até não aguentar mais. O que ele não sabia é que eu era virgem, eu tentei encaixar mas não deu certo, além disso começou a doer. Ele percebeu minha dificuldade e quando eu assustei senti uma enorme pressão, soltei um gemido alto e forcei para entrar mais, joguei meu corpo pra baixo para sentar em seu pau e senti que estava me rasgando ao meio. Primeiro foi uma sensação de pura dor, abri meus olhos e me faltou o ar. Ele me segurou pela cintura me fazendo ficar naquela posição parada e eu sentia minha boceta se dilatando.
– Que apertada! – Ele sussurrava enquanto eu tentava me recuperar e sentia a dor diminuir. Aos poucos comecei a me movimentar, aquele sobe e desce que eu era louca para fazer. Eu sentia seu pau entrando e saindo de mim, era delicioso.
– Me fode! Eu quero que você me foda! – Falei enquanto gemia, eu era louca para ser aquelas safadas que sabem aproveitar os prazeres, e agora era só o início disso tudo.
Ele batia na minha bunda e apertava, e eu me movimentava pra baixo e pra cima deslizando no seu pau que estava molhadinho graças a minha boceta que estava sedenta por um pau. Eu gemia alto e sentava com vontade, isso era o que eu sempre quis.
– Me come, mete gostoso na minha boceta! – Eu falava enquanto ele metia e eu pulava em seu pau.
Eu sentia o carro balançando e os vidros ficando embaçados. Ele soltou um gemido um pouco mais alto.
– Caralho! – Ele falou e apertou minha cintura contra ele com mais força, senti como se estivesse completa e então ele gozou dentro de mim, eu pude sentir. Quando levei meu corpo pra cima escorreu pela minha coxa.

E foi assim que começou minha história no mundo do sexo. Ainda tem muito mais.

Deixe um comentário

CAPTCHA