Curando a Cunhadinha

Olá, amigos! Diferentemente dos meus outros contos, nesse quero ser breve, sem muitos detalhes, mesmo sabendo que o texto pode ficar sem graça. Contudo, é mais uma história daquelas que fizeram parte da minha vida e não consigo esquecer.
Na época, eu namorava a Joana e estávamos no melhor momento do nosso amor. Ela tinha uma irmã que se chamava Janaína, uma pirralha crescidinha que estava naquela fase de aporrinhar a vida de todo mundo, sendo bem chatinha, até com os pais.
Durante o período de férias, a família da Joana organizou uma viagem para uma das praias mais lindas do Ceará, a famosa vila de Jericoacoara, e fui convidado para ir. Lembro que fiquei maravilhado com o local e com aquelas belas paisagens. Todo mundo estava se divertindo a beça, mas logo nos primeiros dias a Janaína ficou gripada, teve febre e ficou de cama. Então a sorte sorriu para mim.
A mãe da Joana era daquelas sogras que todo homem pede a Deus, amável e gentil. Infelizmente, ela tinha perdido alguns passeios para ficar cuidando da Janaína e com certeza não devia estar gostado de jeito nenhum. Sabendo disso, eu e a Joana nos disponibilizamos para cuidar da Janaína em alguns momentos, para que ela pudesse aproveitar o passeio. A pirralha já era chata por si só, imagine doente!
Lembro que logo no primeiro dia, enquanto a Joana estava tomando banho, o despertador tocou avisando que estava na hora do remédio da Janaína, e como só eu estava disponível, tive que pegar o remédio e levar para ela.
– Joana, o despertador tocou! (Avisei).
– Pois pegue o remédio em cima da mesa e dê para a Janaína! (Respondeu de dentro do banheiro).
Fui até a mesa, tirei um comprimido da cartela, enchi um copo com água e fui até o quarto onde a Janaína estava deitada.
– Janaína, está na hora do remédio. Toma!
– Eu não quero assim!
– Hein?! Não entendi. E você quer como?
– Eu não tomo um comprimido inteiro. Tem que quebrar.
Pensei, “Puta que pariu! Ô, desgraça! Essa menina é muito chata até na hora de tomar o remédio.”, então sai do quarto, fui à cozinha, peguei uma faca, cortei o comprimido em quatro pedaços e voltei.
– Pronto, Janaína! Toma!
Ela olhou o comprimido partido na minha mão e disse bem alto:
– Joana, vem logo aqui! Esse mongol não sabe cuidar de mim.
Aí! Como me deu raiva daquela menina. Eu tentando ajudar e a pirralha sendo mal-agradecida. Vai ser assim lá na casa do caralho!
– O que está acontecendo aí? (Perguntou a Joana de dentro do banheiro).
Então, fui lá na porta do banheiro e mostrei o copo com água e os pedaços de comprimidos na minha mão.
– Ela só toma comprimido se tiver bem trituradinho. Pegue o batedor de alho e bata até ficar bem fininho, depois misture com um pouquinho de água e dê a ela.
– Porra, Joana! Não sabia que a sua irmã era tão fresca. (Resmunguei).
– Vai se acostumando, querido! É daí para pior. (Sorriu).
Fui à cozinha, peguei o batedor de alho e comecei a fazer aquele corno job. Já estava quase terminando de moer quando me veio uma ideia de me vingar daquela traquina. Eu não ia deixar barato.
Peguei um copinho de café e bati uma punhetinha de uns 2 a 3 minutos até gozar. Coloquei a minha porra dentro do copo junto com o comprimido bem triturado. Mexi com uma palhetinha, coloquei um pouco de achocolatado e voltei ao quarto. Eu estava pagando para ver qual seria a reação da chatinha.
– Pronto, Janaína! Como sei que você não pode sentir o gosto do comprimido, fiz tipo um chocolate. Espero que goste! Tome tudo de uma vez enquanto não enfria!
Ela ficou olhando para o copinho, cheirou, abriu a boca e colocou para dentro de uma vez. Depois fez uma careta, abrindo a boca e dizendo que era doce e amargo ao mesmo tempo. Notei que a minha porra grudou na língua dela, deixando-a marrom do achocolatado, o que me deixou ainda mais excitado.
– Toma tudo, Janaína! Passe a língua no copinho, se não, não irá fazer efeito.
– Éca! Detesto remédio!
– Mas é para o seu bem! Se não conseguir com a língua, então passe o dedo e tire o que ainda ficou no copinho!
Ela colocou o copinho na boca e, mesmo com nojo, esticou a língua e ficou lambendo, principalmente nas partes onde tinham o chocolate. A vingança tinha sido um sucesso! Já no fim, percebi que a boca dela tinha ficado toda melada de porra e que ela tentava limpar com os dedos. Santa inocência!
Recebi o copinho de volta e me livrei das provas. A Joana saiu do banheiro, toda cheirosa e percebeu a minha excitação. Não aguentei, puxei a Joana para um canto da casa, fiz ela ajoelhar e me mamar. Meu pau pedia para explodir novamente e assim aconteceu rapidamente. Jorrei porra dentro da boca da Joana.
– Nossa! O que deu em você? (Perguntou ela impressionada).
– Nada, amor! Estou com muito tesão em você.
A partir daquele dia, fiz questão de cuidar da Janaína todas as manhãs, dando o remedinho que ela tanto queria, até ficar totalmente curada. Foi uma das minhas melhores viagens que já fiz. Inesquecível!
Atualmente, não estou mais com a Joana e já faz muito tempo que terminamos. Mas sempre me pego pensando se depois que a Janaína cresceu e começou a namorar e transar, se ela percebeu que o remedinho que eu dava era na verdade a minha porra quentinha com achocolatado. Qual teria sido os pensamentos dela? Será que ela lembra com saudades de mim? Será que se viciou no remedinho?
Ficou para história.
Gostaria de manter contato com mulheres lindas, magras, bem cuidadas, cheias de charme, inteligentes e que morem em Fortaleza: [email protected] Homens, por gentileza, não percam o seu tempo!
Obrigado!

Deixe um comentário

CAPTCHA