Meu marido nunca me chupou

Nossos encontros aconteciam quase sempre após o expediente, eram nossas duas horas mágicas.
Nem sempre íamos pro motel, às vezes caminhávamos na praia, como um casal normal, às vezes íamos ao cinema, às vezes ficávamos só na pegação na rua atrás da sua casa…
Não era só sexo, embora o sexo fosse delicioso com a fisioterapeuta.
Ela tem cerca de 1,60m, meio cheinha, mãos delicadas e fortes ao mesmo tempo (de fisioterapeuta, né?), os seios fartos, bem firmes para o volume e sua idade (51), a pele branquinha, cheia de sardas. As costas, que delícia, ela adorava quando eu passava a língua ao longo da coluna, descendo até encontrar seu bumbum avantajado (ela gostava de falar bumbum)…


Tem coxas grossas, com as pernas curtinhas e pezinhos que me deixavam louco…
Mas o que realmente me deixava hipnotizado era sua bucetinha. Pequena, apertadinha, com uma penugem ralinha, loirinha… de enlouquecer e me deixar de pau duro até hoje, só de relembrar.
Nas nossas primeiras vezes, parecíamos adolescentes descobrindo os prazeres do sexo… ela parecia querer desfrutar de cada segundo, com um carinho e intensidade incríveis…
Até que um dia, quando entramos no motel e tomamos um banho (nesse dia tínhamos um pouco mais de tempo), eu a deitei de costas na cama, tirei-lhe a toalha e me pus a admirar seu corpo…
Não vou dizer que era um corpo de Miss, acho que a maioria aqui inventa essas coisas. Ela era uma mulher comum, bonita aos meus olhos e deliciosamente sexy em sua ingenuidade.

Ela ficou meio tímida e perguntou se “estava tudo no lugar” e se “eu estava gostando do que via”… ela girou na cama e ficou com o bumbum pra cima, deixando-me ver sua “flor” toda inchadinha…
Não perdi mais tempo e comecei a beija-la suavemente, descendo da nuca, pelas costas, até encontrar suas coxas… ela se arrepiava toda e dizia baixinho que me amava, que me queria…
O cheiro do mel que escorria da sua xaninha me deixava doidinho e eu a puxei para a beira da cama, coloquei-a de costas e com a bucetinha à minha vista, comecei a chupar, como se fosse a última coisa que faria na vida…
Ela se contorcia, puxava minha cabeça pelo cabelo… eu precisava tomar folego as vezes e ela dizia pra não parar… o seu suco escorria pela minha boca e eu enfiava a língua, me deliciando com sua buceta deliciosa… ia até o fundo… de repente ela deu uma gozada tão gostosa. Me puxou e prendeu minha cabeça entre as pernas… eu quase gozei na hora…

me levantei, fomos pro meio da cama e começamos um 69 maravilhoso. Incrível como os nossos corpos se encaixavam… Ela começou a gozar de de novo e eu então mudei de posição, para penetrar aquela buceta que naquele momento era somente minha…
Segurei seu corpo contra o meu e fui aumentando o ritmo, com estocadas lentas e profundas; alternando para uma penetração mais rápida e fortes… Ficávamos trocando juras de amor e então ela começou a tremer a barriga… era o sinal de que estava gozando outra vez e então pediu para eu jorrar em sua xoxotinha. Que delícia de mulher!
Ficamos ali mais uns minutos, imóveis… ela ofegando ainda, nossos corpos suados… o tempo parecia ter parado para nós dois aquele dia…
Antes de sair, comecei a beijar seu corpo novamente, me demorei bastante nos seios delicosos, com o biquinho rosinha que me matava de tesão, e fui descendo pra encontrar outra vez sua bucetinha, que já estava molhada de novo… perguntei se ela gostava, se tinha algum problema de eu gostar tanta de chupa-la… ai a grande surpresa. Ela respondeu que nunca foi chupada… eu meio sem graça, perguntei do marido, afinal são casados a quase 30 anos… ela respondeu, com cara de nojo, que ele “nunca me chupou”…
Fiquei com um misto de orgulho e vaidade, me sentindo o “cara”…
Depois desse dia, a chupada em sua buceta apertadinha e molhada era quase sempre o “prato principal”…

3 comentários sobre “Meu marido nunca me chupou

  1. Tenho vontade de transar com mae e filha ou tira um vingidade de uma novinha ou pegar uma casada evangelica na frente do marido adoro branquinha para fode com força e deixar a buceta vermelhinha chama no zap 11947841246

Deixe um comentário

CAPTCHA