Eu, minha esposa e meu melhor amigo

Estava em casa conversando com meu amigo enquanto minha esposa dormia no sofá ao lado. Conversávamos de forma descontraída quando virei para o meu amigo e perguntei o que ele achava da minha esposa dormindo. Ele disse que não estava entendendo a pergunta. Perguntei-lhe novamente, o que achava da minha esposa dormindo ali do nosso lado. Se ele a achava bonita, se ela lhe chamava atenção. Ele, todo se graça, falou que a minha esposa é muito bonita e, em respeito a nossa amizade, nunca manifestou o quanto ele a desejava.

Então, levantei e me aproximei da minha esposa. Abaixei e dei-lhe um beijo na boca. Ela continuou dormindo. Nisso, passei a mão em seus seios por cima do vestido e fui descendo até chegar às suas pernas. Enfiei a mão por debaixo de seu vestido e acariciei a sua vagina por cima da calcinha. Percebi que ela estava toda molhadinha.


Virei para o meu amigo e perguntei se ele queria fazer o mesmo. Meio atônito, ele se levantou e foi em direção da minha esposa. Ele se abaixou devagarinho e beijou a minha esposa da boca, passou a língua no seu rosto. Em seguida, foi descendo, beijando os seus seios por cima do vestido, a sua barriga, o seu joelho e, de repente, enviou a mão por debaixo do vestido da minha esposa e ficou ali acariciando por u longo período.

Não me contive e, enquanto ele brincava com a vagina dela, eu me aproximei do seu rosto e beijei os seus lábios, abrindo a sua boca e chupando a sua língua. De sobressalto, ela acorda e se assusta comigo chupando os seus lábios e o meu amigo brincando com a sua vagina. Ela pergunta o que nós estávamos fazendo e ameaça gritar. Eu tampo a sua boca e falo para ela que o meu amigo não tem culpa, pois fui eu que o estimulei. Digo que estava realizando uma fantasia antiga de vê-la sendo possuída pelo nosso amigo.
Ela vai aos poucos relaxando e o meu amigo que em nenhum momento tirou a sua mão da genitália dela, pergunta se ela quer que continue. Sem demonstrar nenhum embaraço, ela fala que como eu, sendo o marido dela, não vê nada demais nisso e, ainda por cima, estaria realizando a minha fantasia, ela fala que ele poderia continuar e que já estava toda molhadinha e doida para experimentar outro macho. Fiquei todo alegre e continuei beijando a sua boca. Ela apertava a minha língua com a sua e apertava a mão do meu amigo com força num frenesi sem tamanho.
Levantei e dei espaço para o meu o meu amigo. Ele se levantou e se aproximou do rosto dela. Tascou um beijo em seus lábios, ela com toda sofreguidão, abraça-o e os dois ficam ali namorando. Enquanto se beijam, o meu amigo envia novamente a mão por debaixo de seu vestido, puxa a calcinha para o lado e enfia o dedo dentro da grutinha molhadinha e quentinha da minha esposa. Ela enlouqueceu e gozou várias vezes.
De repente, sem nenhum aviso, meu amigo para mostrar o quanto ele é viril, pegou-a em seus braços e, segurando-a deitada em seus braços, lhe dá beijos demorados. Minha esposa, com os braços em torno do meu amigo, fica extasiada. Num movimento brusco, o meu amigo vira ela, colocando-a sentada em seus braços. Os dois ficam ali se beijando e eu observo tudo completamente louco. Que cena maravilhosa, vendo os dois namorando e o quanto eles estavam gostando daquilo. O meu amigo coloca a minha esposa em pé no chão e a vira de costas. Segura os seus cabelos, beija a sua nuca e desce devagarinho até chegar a sua bunda. Ele fica ali admirando as nádegas de minha esposa por cima do vestido. Após alguns instantes, se levanta, desabotoa o vestido dela, puxa o zíper bem devagar e vai tirando-o com movimentos leves e ardentes. A minha esposa fica somente de sutiã e calcinha. Vejo os seus olhos soltando faíscas de paixão. O meu amigo beija a boca da minha esposa enquanto as suas mãos acariciam e apertam as nádegas dela. Novamente, ele a segura pelas nádegas, enquanto ela lhe dá uma chave de pernas. Os dois ficam se beijando e atracando sem nenhuma preocupação com o tempo ou com a minha presença.
Com ela no seu colo, ele a pede para tirar o sutiã. Sem pensar duas vezes, a minha esposa tira aquela peça de roupa e deixa os seios totalmente a mostra. Pergunto a ele que achou e sem soltar um som sequer, levantou-a mais um pouco e começou a sugar os mamilos dela. Fiquei extasiado ao ver o quanto os bicos dos seios dela ficaram grandes e duros. Ela apertava a cabeça do meu amigo e ficava colocando ora um ora outro seio na boca dele. Mexendo mais um pouco seus braços, segura as nádegas pelas as mãos, apertando-as e acariciando-as. Então, em movimentos leves e carinhosos, se aproxima do sofá e coloca a minha esposa deitada sobre o mesmo. Passa as mãos em seu rosto, nos seus seios e desce lentamente até chegar a sua calcinha. Segurando nas alças da calcinha, puxa ele bem devagar descobrindo a vagina da minha esposa, nesse momento toda ensopada de tesão. Sem pronunciar nenhuma palavra, aproxima sua boca da genitália dela e começa a chupar, passar a língua e enfia-la dentro daquela vagina maravilhosa. Ele fica assim durante um bom tempo. Do nada, ele pega a minha esposa de supetão e a coloca de costas com a bunda dela virada para ele. Ele passa as mãos em suas nádegas, brinca com elas, abrindo-as e expondo o seu lindo cuzinho e a sua ensopada vagina. Em um impulso rápido, abaixa a cabeça e coloca a sua língua no cuzinho dela e o lambe com sofreguidão. A minha esposa fica doida e eu mais ainda. Aquele orifício que eu tanto amo sendo explorado pelo amigo. Como ele sabe da tara que tenho pelo cuzinho da minha esposa falou que iria fazer questão de degustar daquele buraquinho esplêndido. Após instantes que pareceram intermináveis, ele a pegou como se fosse uma boneca e deitou-se sobre o sofá colocando-a sentada, pedindo-a para tirar a sua roupa. Ela com movimentos bruscos tira a camisa, desabotoa a calça, abaixa o zíper e puxa até tira-la totalmente, deixando-o somente de cueca. Pergunto a ela o que achou da pica grande e dura dele por cima da cueca. Ela fica admirada e fala que dá quase três da minha. Ela fica ali acariciando e admirando aquele caralho. De repente, ela tira a cueca dele alegria nos olhos começa a beijar a rola dele, lambe-la e enfia-la toda dentro da boca. O meu amigo segura a cabeça dela com vigor e fica estocando a boca dela com vigor. Enquanto ela chupa o cacete dele, eu levanto o traseiro dela e chupo o seu cuzinho com força, tentando abri-lo com a minha língua. O meu amigo me manda chupar bastante a buceta dela para deixa-la bem molhadinha para que ele pudesse enfiar a rola nela. Depois de deixar a vagina dela ensopada, afastei um pouco e vi o meu amigo pega-la pela cintura e coloca-la em cima dele, sentada em seu caralho. O cacete dele vai entrando devagarinho na vagina dela. Ela geme, se ajeita e fala que estava acostumada com o meu pau pequeno e que o nosso amigo era um cavalo. Ele fica todo renitente e fala que agora ela estava tendo um macho de verdade. Assim que o cacete dele entrou todo dentro da vagina de minha esposa, ele começou com pequenas estocadas e foi aumentando a intensidade até soca-la sem do e ela gemia e gritava falando que estava muito bom. Depois de algum tempo, ele a colocou de quatro e continuou com os movimentos bruscos em sexo selvagem. Confesso que fiquei bastante admirado. Ele a penetrou de todas as formas possíveis e em todas as posições imagináveis. Os dois se amavam como se fosse um casal de longa data. Após explorar a vagina da minha esposa em todas as posições, ele a colocou de quatro novamente, abriu as suas nádegas e chupou-as com bastante sofreguidão, enchendo-as de saliva. Enquanto chupa aquele buraquinho maravilhoso, ele coloca dois dedos na boca da minha esposa e ela chupa com o maior tesão. Então, ele enfia um dedo dentro do cuzinho dela sem falar nada e ela solta um grito de dor, mas não faz nenhum movimento de desaprovação. Aos poucos, ela vai relaxando e ele coloca outro dedo, abrindo mais ainda aquele lindo cuzinho. Sentindo muita dor e gemendo, a minha esposa fica imóvel curtindo aqueles dois dedos dentro dela. O meu amigo retira os dois dedos e aproxima o seu caralho enorme do cuzinho dela e vai enfiando devagarzinho e ela gemendo. Aos poucos, a rola dele vai entrando no cuzinho da minha esposa, até penetra-lo totalmente. Assim, que o cacete dele entrou, ele começou fazendo breves estocadas e parando na medida em que ela reclamava da dor. Após alguns instantes, quando a minha esposa já estava relaxada e já não reclamava mais de dor, ele começou a acelerar as estocadas e não demorou muito, já estava estocando o cuzinho da minha esposa da mesma forma que fez com a buceta dela. Ele comeu o cuzinho da minha esposa de todas as formas possíveis, até encher aquele orifício com muita porra. Fiquei ali admirando o tanto de esperma que saia da bunda de minha esposa. Ficamos bastante felizes e o meu amigo continua nos visitando constantemente e dividindo a minha esposa de todas as formas possíveis.

Deixe um comentário

CAPTCHA