Minhas histórias parte 3

Mais uma parte das histórias que envolvem o 43, mas eu tinha terminado o último conto falando de um outro caso que não tem a ver com ele, que é uma pessoa que queria muito e vou até comentar uma das coisas que imaginei com ele, uma entre muitas, pois todo dia penso alguma coisa, fico imaginado ele fazendo o que não costumo deixar esses outros caras fazerem, mas vou contar a mais estranha e viajada das imaginações que tive, se alguém achar nojento, desculpa, eu gosto, e vou falar mais sobre isso em um outro conto que vou por aqui, me veio na cabeça ele enfiando a mão dentro da calça dele aqui do meu lado e depois pondo na minha boca um pedacinho de “queijo” que tirou de lá , hummm como nem sei como ele é (pelo menos ainda) nem sei

se ele já teve isso e se ainda forma isso, mas isso me passou pela cabeça e fiquei louca, aliás, fico toda hora que lembro dessa imaginação que tive, foi uma das que mais gostei, outras coisas prefiro não contar, melhor contar depois que acontecer, brincadeira.. Meio difícil acontecer isso, mas de tanto desejo que essa pessoa dá eu fiquei louca só de ver ele pondo a mão ali perto algumas vezes e uma vez que ele encostou tanto na mesa que a mesa parece que até deu uma marcadinha no meio dele e outras coisas um pouco estranhas que já vi ele fazendo, só de escrever sobre isso já aliviou um pouco, estava guardando muito essa situação pra mim e estava louca por causa dessa pessoa, mas estou adorando essa situação, principalmente quando tenho oportunidade de ver ele fazendo alguma coisa, como se tocando por cima da roupa rápido, que nem alguns tem costume de fazer, muitos não, mas alguns tem, e adoro ver isso, pena que não foi muitas vezes, e bem provável que ele tenha percebido que fico olhando e aí acabou parando de fazer, mas já vi até ele tirando a mão de dentro da calça uma vez, talvez ele percebeu que eu fico olhando e aí está tomando mais cuidado para não fazer essas coisas.
Agora vamos voltar aos casos do 43 que é coisa já feita mesmo, não só pensado, tinha ficado de contar as outras pessoas que ele, de alguma forma, fez eu chupar, na segunda parte das histórias dele eu expliquei sobre isso, a primeira história dele foi a mais recente, a continuação foi a primeira e agora vou contar umas intermediárias, estava um dia, mais uma vez, eu, ele e o 25, dessa vez na casa do 43 (chamo eles por número porque não gosto de por nome fictício), estávamos jogando e enrolando mas não demorou muito pro 43 sentar do meu lado e falar “estou com saudade da nossa brincadeira”, e eu já comecei a colocar a mão nele, ele tirou, e depois de apertar por cima da calça a coisa que mais adoro é arregaçar a pele da cabeça, só de eu fazer isso ele já gemeu um pouquinho acho que de tanto gosto que eu faço isso, e comecei a chupar ele, eu adoro tudo nele, mas o único problema é que ele não gosta tanto das brincadeiras, prefere mais o básico de ficar engolindo, as vezes eu ia fechar a pele com a mão pra arregaçar de novo com a boca e ele pegou e segurou a pele toda arregaçada fazendo eu chupar, depois o outro também tirou e comecei chupar um pouco de cada um, tinha vezes que eu até colocava as duas cabeças na boca ao mesmo tempo e ficava chupando, já fiz isso com várias duplas diferentes, não só eles, e foi mais uma vez que chupei eles e tomei gozo dos dois mas ainda não acaba por aí, o 43 tinha comentado que estava alugando um quarto na parte de cima da casa para um chinesinho, e eu brinquei que era pra me apresentar ele porque eu adorava chinesinhos e uma hora falou que eu poderia subir lá, começamos conversar e depois beijar, e até tentei enrolar mais, mas não consegui enrolar muito e já coloquei a mão nele também e chupei, e depois teve outros encontros, isso tudo foi em uma terça, depois, no sábado dessa mesma semana, teve até uma brincadeira que não acabou tão bem, combinei de encontrar esse chinesinho e acabamos indo parar em uma pracinha bem bonita e que fazia parte de uma páteo de uns prédios que tem lá na Paulista e que tem uns bares, uns cafés, muita gente vai saber o que é, e ele estava me beijando, eu não estava curtindo muito, queria mesmo era chupar, como não dava, fui pelo menos ficar com a mão nele, ficava mexendo na pele, passando o dedo na cabeça, e saía muito aquele meladinho que eu adoro, uma hora eu não aguentei e as vezes dava uma olhadinha pra ver se não passava ninguém e aí dava uma chupada rápida na cabeça dele, ou uma lambidinha na cabeça dele, ali naquela pracinha, um perigo, estava gostoso, mas claro que bem em uma das vezes que chupei mesmo sem olhar, apareceu um segurança mandando a gente sair, na hora fiquei morrendo de vergonha mas hoje adoro lembrar dessa cena e de ter sido pega, depois teve mais encontros com esse chinesinho, um dos mais legais foi lá na casa do 43 mesmo mas um dia que ele não tava em casa e aí foi só lá no quarto dele, dessa vez estávamos sozinhos, deu pra chupar ele mais a vontade, esfregar a língua na cabeça a vontade, engolir tudo, tudo que eu sei, e fiz uma brincadeira de colocar um pedaço de chocolate dentro da pele da cabeça para o chocolate derreter lá dentro da pele, melando toda a cabeça e pele interna e depois eu chupar tudo devagarzinho, adoro essa brincadeira, faço sempre que posso, e ele não falou nada, só uma hora comentou que o pedaço de chocolate que eu ia colocar na cabeça dele era muito grande e aí cortei um pouco e achei engraçado ele perguntando se foi na internet que aprendi fazer isso e respondi que não, que era eu que tinha inventado, ele gostou de tudo mas no fim gozou com eu batendo, que eu também adoro fazer isso e é outra coisa que dizem que faço muito bem, ele gemeu muito e até comentou “Nossa”.. E olha que ele nem conhecia também o português, era chinesinho.

Deixe um comentário

CAPTCHA