Minha Primeira Vez com uma Garota de Programa

Naquele dia estava um calor imenso em nossa cidade. Eu trabalhei até um pouco mais tarde, pois Roberto havia combinado de me pegar no trabalho e iríamos tomar alguma coisa e namorar um pouco antes de irmos pra casa. Apesar de casados já há algum tempo, sempre dávamos um tempinho para namorarmos, mas o calor era imenso, pensei em ligar e passar em casa antes para tomar um banho, mas quando saí do trabalho Roberto já estava me esperando ansioso no carro. Sendo assim, saímos e fomos num barzinho. Quando chegamos fomos para a parte superior do bar, ao ar livre, bebemos e falamos de algumas coisas que estavam acontecendo conosco, também sobre sexo, algo que adoramos e que é um assunto que temos sempre em pauta nas nossas conversas privadas. Claro que

nos excitamos muito, e logo depois descemos para um ambiente, tipo American Bar, daqueles com bancos com almofadas para casais, em um local à meia luz, escuro mesmo, uma boa música, ai sim, nos beijamos, nos amassamos, e só não chegamos aos finalmente porque gostamos de fazer sexo para valer, mas foi gostoso. O tempo passou rápido demais, de repente, Roberto olha no relógio e já era quase onze da noite. Vamos, perguntou ele. Só concordei. Roberto tomou um caminho diferente. Logo percebi que iríamos até um motel, ele não deixaria de sapecar a minha buceta naquela noite e, claro, ia me fazer gritar pra valer. Eu estava louca de tesão, mas qual não foi a surpresa ao pararmos diante de um prédio, Roberto direcionou o carro e entramos naquele local. Eu agora, além de excitada, estava curiosa para saber o que estava acontecendo. Entramos no elevador e subimos até a um

apartamento , perguntei o que estava acontecendo, ele enigmático não dizia nada. Entramos e ouvi o barulho de chuveiro, alguém estava tomando banho. Roberto me abraçou, me deu um beijo ardente, minha buceta chorava de prazer só em pensar que levaria rola de outro homem novamente na presença do meu maridinho que adora ser meu corno. Fiquei molhadinha, só em imaginar, chupar um cacete na sua frente, depois gozar olhando ele tocar uma punheta. Como é delicioso a gente ver o meu corninho se masturbando enquanto levo uma bela rola na buceta. Distraída, aproveitando a língua do meu homem, não percebi que a gente tinha alguém assistindo. Roberto me vira, e eu pude ver Gustavo, encostado na parede. Meu olhar foi direto aos olhos do meu futuro amante, até seus

pentelhos abaixo do umbigo, formando um caminho delicioso de pelos para o cacete cheio de veias que ele possuía. Roberto levantou minha blusa e soltou meus peitos, Meu marido estava a me despir para me entregar a um puto delicioso. Roberto ajoelhou-se na minha frente e tirou minha calcinha, Gustavo ainda encostado na parede assistia a tudo, comecei a esfregar minha xana na boca do meu amado corno. Gemi gostoso e disse, olhando nos olhos dele: “- Chupa, corno prepara minha buceta para receber a rola do seu amigo!” Afastei a cabeça do meu marido e fui em direção ao meu amante, cheguei bem próxima a ele, nua, deixei meu corpo tocar o seu, ele estava muito cheiroso, me abraçou forte, e suas mãos acariciavam todo meu corpo, cada vez que elas passavam e apertavam a minha bunda eu delirava de prazer, sabia que Roberto estava ali me olhando as mãos de outro homem me acariciando e apertando.

Gustavo, percebendo o tesão que aquilo nos causava, caprichava nas carícias, separando minhas nádegas e passando o dedo no meu cu. Era delicioso demais aquela situação, extremamente excitante! Com uma das mãos ele apertava o bico dos meus seios, eu gemia de tesão nas mãos daquele garanhão. Ele me virou de costas e começou a lamber meu pescoço na altura da nuca, a outra mão foi parar no meu clitóris, que ele dedilhava com maestria. Eu sentia um prazer descomunal, estava encharcada de tesão com aquele macho a minha disposição, ele podia fazer o que quisesse de mim, tinha total permissão do meu maridinho corno, ele adorava me ver sendo possuída por um macho gostoso. Podia ver Roberto nu, batendo punheta e se deliciando em ver a sua puta nos braços de outro homem. Ele me masturbava, e Roberto cadenciava a punheta para não gozar logo. Ele queria assistir a tudo. Fiquei de joelhos e

segurei seu cacete, passei a língua na cabeça da rola, e fiz aquele macho gostoso gemer de tesão. A rola foi deslizando em meus lábios, passei a fazer movimentos frenéticos com a boca, procurando intercalar uma boca mole para o pinto entrar bastante, uma boca mais firme tocando a pele do pau com meus lábios, fazia aquele cacete entrar e sair da minha boca, eu adoro chupar rola. Que gostoso ver Roberto batendo punheta daquele jeito, ele não tirava os olhos da minha boca e falava baixinho: “- Chupa, amor, mama gostoso minha princesa, isso, assim, engole gostoso, que delííííííciaaaaaaaaa!”. Ele quase perdia o controle, mas parava e deixava o caralho pulsar sozinho… Sentir o gosto de

outro macho, poder ver Gustavo se retorcendo na parede, sentir o gosto do cacete e ver meu marido ali, com o pau duro, balançando, excitado, era um prazer indescritível. Levei minhas mãos até ao peito de Gustavo, ele entendendo minha intenção, segurou meus braços e mexia o dorso, desta maneira fodia minha boca, sedenta por aquele delicioso cacete que era todo meu. De canto de olho eu contemplava Roberto assistindo a tudo. Ele adorava ver um cacete na minha boca, Gustavo mexia cada vez mais gostoso, o caralho ia até a minha garganta e voltava, eu abria a boca para satisfazer muito aquele homem, que delícia!… Roberto enlouquecido pedia para Gustavo gozar na minha boca: “- Goza na boquinha dela, enche ela de porra, quero a ver minha putinha bebendo tudo, chupa sua puta, vadia, sem vergonha, mama, sua cadela, isso, me mata de prazer safada!…” Eu tirei minhas mãos das mãos de Gustavo e segurei

aquele pau duro, fazendo com os lábios a fricção necessária para receber um gozo alucinante. O pau de Gustavo endureceu de tal forma que ele não aguentaria por muito tempo. Gustavo direcionou o pau em minha boca e se masturbou forte, abri a boca para colher toda a porra, Roberto se masturbava alucinado, então, Gustavo soltou o primeiro jato de porra… Estava quente e viscosa, super cremosa, branquinha, o segundo, o terceiro… E logo minha boca colhia toda sua porra, Gustavo gozava em espasmos, se retorcia todo, Roberto olhava dentro da minha boca e via o leite de outro macho. Meu corno estava satisfeito, e eu tinha uma certeza: meu marido iria ver aquela cena para

o resto da vida, ele gostava de verdade, Gustavo passava o pau nos meus lábios para deixar suas últimas gotas daquela gala maravilhosa. Então eu fechei a boca, engoli aquela porra quentinha, em seguida me levantei e fui até meu marido, abracei-o e lasquei um beijo de língua para ele sentir o gosto do leite de outro macho na minha boca. Ele me beijou apaixonado, sua língua passeava em minha boca, me fazendo ficar alucinada. Eu me ajoelhei e ele se masturbou, gozando também em minha boquinha. Roberto gozou gostoso em minha boca. Depois fomos beber alguma coisa, em seguida fomos para o quarto, numa cama de casal deliciosa, eu estava bem à vontade, toda nua e com vontade de foder a noite inteira. Gustavo disse que parecia estar no paraíso, e eu, louca para dar. Me sentei em seu colo, passando minhas pernas sobre seu corpo, enlaçando ele, nos beijamos e então eu disse que tinha a extrema

necessidade de um cacete, que queria ele bem gostoso dentro de mim, me preenchendo todinha. Arrebitei bem a minha bunda e Roberto veio chupar minha buceta. Delirei de tesão e beijava Gustavo, joguei meu corpo por cima do dele e caímos na cama. Roberto sentou-se aos pés da cama, eu fiquei por cima e peguei no cacete de Gustavo, de costas para o seu rosto e de frente para meu marido, direcionei o pau dele para a entrada da minha buceta, deixei o peso do meu corpo cair e o cacete entrou majestoso dentro da minha buceta, imediatamente passei a cavalgar: “- Olha bem meu corno, depois que ele gozar em mim, vc vai me chupar bem gostoso depois. Assiste esse cacetão gostoso me foder!” Eu falava aquilo e me sentia no paraíso, gostoso demais, dar para outro macho na frente do meu marido e ainda ver ele se masturbar de tesão. Só quem já fez isso sabe do que estou falando. O cacete de Gustavo

entrava fundo na minha buceta, sentia ele me rasgando toda, era muito tesão, eu achava o máximo aquilo tudo. Era gostoso demais. Ele apalpava minha bunda e dedilhava meu cu, me chamando de vagabunda. Aquilo me deixava maluca, rebolei naquele cacete bem gostoso e chamei Roberto para acariciar meu clitóris: “- Isso meu corno manso, mexe gostoso na minha bucetinha, olha esse pau delicioso me rasgando toda meu corno, olhaaaaaa, quero gozar na rola dele de novo para você assistir tudinho.” Enquanto Roberto me acariciava o clitóris, sua rola balançava, eu amava aquilo, era gostoso demais vê-lo daquele jeito. Ver seu cacete pulsando, enquanto outro macho me fodia gostoso, era demais! Gozei feito uma cadela, gritando, rebolando no caralho de Gustavo, em seguida, ele se levantou, me colocou de quatro, segurei firme na cabeceira da cama, sabia que ia ser comida com força. Abri as pernas e Gustavo atolou seu cacetão inteiro na minha buceta, enfiando o pau até ao talo! Minhas forças foram embora, deixei o peso do meu corpo tomar conta e sem nenhum pudor apertei o cacete de Gustavo dentro de mim, eu estava

sentindo um orgasmo múltiplo: “- Bate punheta corno, enquanto eu levo rola na minha buceta, corno do caralho, assiste aí seu safado…” Perdi a compostura de vez! Todo o tipo de sacanagem eu falava para Roberto, gozava feito uma puta, aquilo era gostoso demais. Gustavo sabia foder, ele metia com gosto, cada palavra minha era uma estocada vigorosa, eu tremia de tesão, Roberto gozou nas minhas costas e, não aguentando o tesão, me lavou de porra, eu então gritei: “- Gustavo, goza dentro, me enche de porra, vai meu macho tesudo, me enche de porra, delícia!” Gustavo meteu o caralho até o talo dentro de mim e gozou alucinadamente. Ele gozava falando todo tipo de

sacanagem, deixou o caralho enfiado até ao talo, aquilo era gostoso demais! Ele enfiou o cacete ao máximo que pode, para gozar gritando: “- Toma vagabunda, toma porra lá dentro da buceta, sua gostosa. Eu mexia a bunda e sentia o caralho lá no fundo, Gustavo já havia perdido as forças e, claro, eu estava ensopada de porra. Gustavo foi tirando o pau de dentro de mim, arrebitei a bunda e deixei a porra escorrer, minha buceta estava toda arregaçada e pingando porra, o pau de Gustavo estava todo gozado, carinhosamente me virei e coloquei o cacete dele na minha boca, e mamei deixando ele reluzente e limpinho novamente. No caminho de volta ele me disse que Gustavo era um GP que um amigo havia indicado e que tinha cuidado muito bem da mulher dele. Quando chegamos, fomos direto para

nossa cama, eu disse no ouvido do meu marido: “- Me faça gozar com essa língua gostosa meu corno!” Ele se alojou no meio das minhas pernas e abriu minha buceta. Claro que ela estava toda gozada, né! Eu, gozei esfregando minha buceta na sua boca! Em seguida, Roberto colocou de quatro e me comeu gostoso. Adorando a minha buceta larguinha e toda melada de gozo.E assim que terminamos a nossa noite, com uma aventura que eu não esperava.

1 comentário em “Minha Primeira Vez com uma Garota de Programa”

Deixe um comentário