Fui para comer a casada e fodi a amiga também

Os fatos que vou relatar a seguir são verdadeiros, embora já tenha passado bastante tempo.Sou um homem de 44 anos na época do ocorrido teria os meu 35/36 anos, 1.70m, moreno, olhos verdes 68kg, corpo atlético.
Na altura com algumas fantasias em mente para realizar, tive a ideia de meter um anuncio num jornal de sexo há procura de senhoras e casais.
Alguns dias depois do anuncio sair telefona-me um senhor de Torres Vedras , para saber da minha disponibilidade a deslocar-me lá para estar com eles. Era um casal com aproximadamente 40 anos de idade, em que o marido tinha a fantasia de ver a esposa com outro homem.

Depois de falar com ambos pelo telefone, para me certificar que não ia ao engano, combinamos o dia que iria acontecer o encontro.
Chegado o dia pus-me a caminho. quando cheguei estava o marido que vou de chamar de António, há minha espera. apresenta-mo-nos estivemos a conversar durante algum tempo até que ele me convida para ir ter com a sua esposa,
que nos esperava noutro sitio. Quando chegamos estava a Esposa Carina, na companhia de uma amiga Júlia ambas brasileiras. Carina uma mulher esbelta pele clara linda com um bom para de mamas, Julia um pouco mais cheinha, morena um pouco mais escura que Carina mas também muito linda e o que mais sobressaía era o seu cu, que era redondinho um pouco avantajado e com cerca de 32/33 anos. Nao sei se estaria a par de tudo,mas não se foi embora quando lhe fizeram o convite para nos acompanhar a casa do casal. Ao chegarmos um apartamento To, já que era só o casal e não tinham filhos.Quando entramos o António foi logo para traz de sua esposa e explicou a Júlia porque estávamos ali, a Júlia muito admirada logo se quis ir embora, e a Marina disse-lhe para ela ficar e ficar a assistir, que lhe ia dar ainda mais tesão. Julia sentou-se num cadeirão perto da cama e ficou a assistir. O Antonio entrega me a esposa e diz-me que ela era toda minha ,que podia fazer com ela o que quisesse. Carina vem até mim abraça-me e começa a beijar-me com muito tesão, agarro-lhe as nádegas, apertando-ase alisando levantando- lhe a saia, olho para a Júlia que estava sentada e com a mão na cara um pouco envergonhada com tudo o que se estava a passar. Carina começa a despir-me a camisola e lamber-me os mamilos que estavam muito rijos, a dar mordidinha na barriga até ficar ajoelhada a minha frente, desapertou as minhas calças esfregou o rosto no volume do meu caralho por cima das cuecas dando-lhe pequenas mordidas perante o olhar extasiado do António, que a esta altura já acariciava o seu caralho. Julia estava ruborizada, devia ser do tesão, não conseguia estar quieta na cadeira.
Carina despe me as cuecas e solta o caralho que saltou que nem uma mola fazendo-a lamber o lábios, pegou nele e levou-o a boca dando-lhe um beijo a olhar-me nos olhos, que só não me vim logo naquela altura com muita dificuldade para me controlar abocanhou-mo logo de seguida e lambeu me os colhões. Fiz sinal para a Júlia se juntar a amiga,mas ela não quis, preferindo continuar no mesmo sitio onde estava. o Antonio deitado na cama ja se masturbava a valer. Deitei a cariana na beira da cama e de pe no chão abri-lhe as pernas, expondo uma rata sem pelos, com um grelo saliente, que logo abocanhei,lambi,enfiei a língua, até faze-la gritar e vir-se na minha boca, subi na cama de joelhos, dei-lhe o caralho para ela mamar, agarrou-se a ela com muito tesão, quando olho para traz vejo a Julia a passar a mão na cona por cima das calças cheia de tesão. Levanto-me da cama, vou até ela agarro-lhe na mão e puxo-a para a cama e dou lhe um beijo de lingua que lhe tira toda a resistência que ainda tinha ao despi-la a Carina vai-me mamando no caralho como uma bezerrinha ha procura do leite, empé chupo as mamas da Julia e esfrego-lhe o grelo, enfio -lhe dois dedos na cona que está molhadissima, vejo-a a revirar os olho e vir-se nos meu dedos. Carina pede-me para lhe comer a cona que já não aguenta mais de tesão, deito-me de barriga para cima e ela enterra-se no caralho de uma so vez, cavalgando e gemendo muito a olhar para o corninho que continuava na sua punheta desenfreada. Julia senta-se na minha cara para eu lhe fazer um minete, quase me deixando sem ar, agarrei-lhe e abri aquelas nadegas lambi-lhe do olho do cu até ao grelo. Quando se levanta de cima de mim deita-se a meu lado e fica a esfregar o grelo a olhar a amiga cavalgar-me. Vejo o Antonio espreitar por traz do cu da esposa para ver se consegue ver o meu caralho entrar e sair da cona dela e vem-se para cima da cama e para o chão, como um bom corninho vai a casa de banho sem dizer uma palavra. Meto a Carina de quatro e passo-lhe o caralho pelo grelo e na entradinha do cu, depois de o pincelar algumas veses enfio-lho cona dentro de uma só vez dando-lhe estocadas fortes,fazendo-a vi-se aos berros., deixei-a caida na cama e descansar e fui para cima da Julia que continuava a esfregar a cona, abri-lhe as pernas meti-me entre elas e deixei cair o corpo enfiei o caralho todo de uma vez,no vai e vem ouvia-se o barulho do meu caralho a chapinhar em agua ao mesmo tempo que se ouvia o estalar dos nossos corpos a encontrarem-se, começo a ouvir gemidos ao meu lado e vejo o Antonio a lamber a cona da esposa com muita sofreguidão,meto a Júlia de quatro, abro-lhe as nadegas enterro o caralho todo na cona agarro nas ancas e forçoa a vir e a ir de encontro a mim dando-lhe estocadas fortes, Julia enquanto esta nessa posição começa a afagar as mamas da amiga até se beijarem a Carina mete-lhe a mão na cona e esfrega o grelo até a Julia começar a tremer e a gritar, não consigo aguentar mais e venho me nas nadegas da Julia, com jactos fortes que lhe chegam ao pescoço deixando-lhe as costas também cheias de leite. Elas desfalecem e eu também tinha as penas a tremer de fraqueza depois de uma foda magnifica. Fomos os três ao banho mas para alem de muita esfregação não rolou mais nada. Estávamos satisfeitos e esgotados.
Despedi-mo-nos, trocamos nº de telemóvel e fui embora.
Voltei a falar com eles mais vezes, mas nunca mais voltamos a nos encontrar.

Deixe um comentário

CAPTCHA