A Esposa Puta do Meu Irmão

Guerreiros hoje vos trago mais um conto, dessa vez um que me marcou muito e me deixou sem acreditar que realmente tinha acontecido por um tempo.
Essa história se passa quando eu já tinha feito da mamãe Uber minha principal fonte de renda, conseguia ganhar bem antes apenas rodando no app, como já havia citado eu dirigia à noite, e por isso as vezes pegava viagem com algumas damas da noite, ia deixar em motel, depois nos pontos… era algo até comum de acontecer. Mas nesse dia aconteceu algo bem inusitado, eu estava rodando, finalizando uma corrida aos arredores de uma área que tem bastante motéis aqui na minha cidade, e como sempre acontecia eu recebi um pedido de corrida de um homem de

dentro do motel, chegando lá parei o carro em frente a garagem e ele já estava me esperando, o cara era alto, bem vestido de camisa social, calça social, sapato brilhando… parecia que a roupa do cara já valia oq eu ganhava em uma semana, não parece ser do tipo que precisaria de um Uber. Porém ele me disse que a corrida não era pra ele, e sim pra acompanhante que estava com ele, que estava só terminando de se arrumar pra entrar, passado aproximadamente 5 minutos(tempo que um passageiro tem pra embarcar) a acompanhante sai, e era ninguém menos que a esposa do meu irmão, eu fiquei chocado, ela estava usando uma mini saía de couro, meias sexy

daquelas de sexy shop, blusa curtinha e bem decotada, e um batom vermelho vibrante, igual a uma autêntica acompanhante de luxo, e ela por si só já é linda, morena, corpo malhado de academia, pele bronzeada… Sempre havia achado ela mulher pra homem nenhum botar defeito. Ela me olhou estática, sem acreditar no que estava vendo, o cara não entendeu nada, apenas pegou o carro dele e saiu na frente, e ela com a voz trêmula encostou no vidro do carro e falou:

– Jaqueline: Gi(forma como ela me chama), pelo amor de Deus n fala nada pro Getúlio(meu irmão), ele até me mata por favor não conta nada. (Com voz de choro)
– Eu: Jaqueline eu não tenho nem reação, sério eu nem sei o que te dizer… Entra aí no carro agora, e me explica essa história, tu virou quenga?(forma como o povo da minha cidade chama prostituta)
Jaqueline: Calma, por favor me escuta, eu te conto tudo, mas me promete que não vai dizer nada, isso pode acabar com a nossa família, pode acabar com o teu irmão, e tu sabe que ele tá em um momento complicado.
Na época meu irmão estudava pra PM, ele já havia falhado 3 vezes, e estava indo pra sua última tentativa por conta da idade, ele não saía de casa, estava desempregado e só estudava o dia todo, tinha desenvolvido ansiedade por conta do concurso.

Eu: Só entra Jaqueline, tu vai me explicar essa história.
Ela entrou e sentou no banco da frente.
Eu: Bora fala logo(Num tom zangado).
Jaqueline: Tu não tem noção o quanto as coisas lá em casa estão difíceis, só eu tô trabalhando, e só o que eu ganho na loja não tá dando(ela era vendedora), o Tatá(Meu irmão) não se interessa de arrumar emprego ele só quer saber de estudar, e o que eu ganho só dá para contas, não sobra nada pra mim, eu tava sentindo falta de ir num salão, de me cuidar… E agora eu consigo ganhar um dinheiro extra e tá servindo até pra ele também, tô podendo ajudar ele a comprar os materiais dele de estudo, pagar os preparatórios… Por favor Gi não conta pra ninguém, esse vai ser o nosso segredo…

A Safada foi pegando na minha perna e acariciando de leve, ela deve ter visto que com aquela roupa que ela tava, eu não parava de olhar, e meu pau acabou ficando duro. Eu falei:
– Eu: Tá bom, posso pensar no seu caso, mas o que eu ganho com isso?
– Jaqueline: Vc vira o cliente vip, vai poder me comer de graça sempre quando quiser, mas isso tem que ficar só entre nós tá? ??

– Eu: Sendo assim a gente tem um acordo. Da minha boca não sai nada. ??
A Vagabunda já foi abrindo o meu zíper, e me dando um beijão no pescoço enquanto segurava no meu pau, dei meia volta e entrei no motel novamente, peguei a suíte mais cara do motel, com piscina, pole dance, jogo de luzes e temática de cabaré, entramos no quarto já se pegando, eu levantando a saia da cadela e amaciando aquele rabo delicioso, com um calcinha pequenininha, fio dental roxo socado todo na bunda, com um lacinho na parte de traz e rendinha na frente, a piranha viu que eu gostei do rabo dela e já ficou de costas pra mim, se esfregando no meu pau enquanto me olhava com cara de safada com um dedinho na boca e dizendo “Gostou do meu rabo Gi?” Encostei ela

na parede, a safada empinou o rabo pra mim, afastei a calcinha de lado e vi, o cuzinho dela ainda estava aberto, o cara tinha acabado de usar aquele cuzinho, a puta começou a piscar o cuzinho pra mim, então eu falei: “Me provocando né safada? Quer ganhar mais vara nesse cu?” Dei um tapão na bunda dela e beijei o pescoço, enquanto imprensava ela na parede e puxava o cabelo dela, segurando firme no rabão dela com o polegar todo enfiado no cuzinho dela, ela disse: “Vai mete no meu cu safado, ele é todo teu vai!” Com uma voz bem macia e sexy, fiquei louco com aquilo, pulei as preliminares e soquei com tudo naquele cuzinho, o cu da safada apesar de parecer relaxado ainda tava apertadinho é bem quentinho, então eu disse:

– Eu: Que cuzinho apertadinho puta, o cara não deu conta do serviço foi?
– Jaqueline: Ai Gi deu não… ele gozou rapidinho eu tava doida pra ir pra casa com o cuzinho bem comido… vc faz isso pra mim? (Fazendo uma voz doce e macia enquanto dava umas gemidinhas sensacionais a cada socada que eu dava)
– Eu: Então empina mais esse rabo e abre esse cuzinho pra mim vai safada!
Ela se inclinou mais na parede deixando aquele rabão gostoso bem empinado, e abriu o cuzinho pra mim socar com as duas mãos, então dei um tapão no rabo branquinho dela e deixei minha marca ao lado da marquinha de biquíni fio dental da puta, puxei os cabelos lisinhos dela e soquei com força. A puta gritava: “AI CARALHO QUE DELÍCIA, FODE ESSE CUZINHO GI VAI” ela fazia questão de falar o apelido pelo qual ela me chamava, enquanto apertava o cuzinho pra parecer ainda mais apertado, aquilo me deu tanto tesão que eu gozei ali mesmo, em pé, e gozei tudo dentro do cuzinho dela. Mas ainda não havia acabado, a safada me empurrou na cama, e me perguntou:

– Jaqueline: E agora amor? O que você quer fazer comigo? (Com cara de safada olhando pra mim)
Eu já ofegante de meter nela respondi:
– Faz uma dancinha pra mim vai Jaque…
Ela subiu no palco do pole dance e começou a tirar a roupa devagarinho sensualizando pra mim, igual a uma verdadeira puta de luxo, ela subia no poste, e fazia performances que você só vê em boates da área nobre da cidade, rodava, encostava o rabão no poste descia devagarinho com o dedo na boca e olhado pra mim com cara de santinha, tirou a saia, se subiu no poste e desceu devagarinho de cabeça pra baixo e de pernas abertas mostrado a calcinha enfiada no cuzinho e a bucetinha marcando na frente, abriu um espacate a lá Van Damme no chão de costas pra mim enquanto mexia o bumbum, tirou a calcinha e jogou na minha cara, e que cheiro maravilhoso tinha aquela calcinha… com tudo isso meu pau mal caído e já se levantou pra outra, o fogo se acendeu em mim de novo, só que dessa vez com a sensação de que iria durar a noite toda, ela viu meu pau subindo e veio fazer uma dancinha mais de perto,

sentou no meu colo, rebolou em cima do meu pau, jogou a bucetinha na minha cara esfregando pra mim sentir o mel dela, depois virou-se de costas e jogou o rabão aberto na minha cara, levei uma surra de bunda e quase me encosto na cama, então ela começou a chupar o meu pau em uma posição incrível, chupando de costas pra mim com o rabao na minha cara se apoiando nas minhas pernas e com as pernas dela abertas, pra mim brincar do jeito que eu quisesse com o cuzinho dela e a bucetinha, então eu cuspi no cuzinho dela e soquei 3 dedos com a mão direita, e soquei 2 dedos na bucetinha dela com a mão esquerda, enquanto ela fazia o boquete mais fantástico que eu já ganhei na minha vida! Boca música e quentinha, um boquete perfeito sem encostar o dente, e engolindo todo o meu cacete,

chupando até as bolas, esfregava os peitos no meu pau fazendo uma espanhola, e eu lá, brincando de abrir o cuzinho e a buceta dela, ela virou de frente outra vez e sentou olhando pra mim enquanto quicava a bucetinha molhada no meu pau, nós nos beijamos nessa hora e eu senti algo diferente, eu era acostumado a comer puta na noite, mas nunca havia sentido isso com nenhuma, ela parecia especial, nosso beijo foi quente, é tão bom que fez até eu esquecer que por um momento ela tava quicando no meu pau com uma bucetinha gordinha de lábios escuros, é bem molhada, nossa que bucetinha maravilhosa era aquela, era como se eu tivesse no paraíso, meu corpo todo tava no mais puro ectase! Meu pau tava estralando de duro, ela sentava e apertava meu pau com a buceta dela como se disseminou alicate, como se a xota dela tivesse engolindo o meu pau e mordendo. Então ela me empurrou na cama, e virou de

costas novamente, e começou a sentar de costas quicando e rebolando no meu pau bem devagar enquanto dizia: “Tá gostosinha Gi minha bucetinha” de novo com uma voz macia que eu nunca havia escutado ela fazendo nem com o meu irmão, e a essa altura do campeonato eu já estava sem resposta, nunca tinha participado de uma foda tão boa como aquela, aquela cena do rabão dela quicando na minha rola, enquanto a bucetinha dela gordinha era externalizada pelo meu pau quando ela fazia o movimento de subida, e meus 22cm de pau sumia quando ela descia, me deixou em transe, completamente hipnotizado, tanto que por pouco eu não solto um “Eu te amo”, mas confesso,

a essa altura eu sentia MUITA inveja do meu irmão, eu queria casar com aquela puta, e aí eu entendi o meu irmão, entendi por que ele levava chifre calado, aquela mulher não foi feita pra ser de um só, ela pertence a todos, porém apenas alguns tinham a capacidade de pagar pelos serviços dela, e eu tava desfrutando disso ali, de graça e como cliente vip! Eu sempre tive vontade de foder ela, estava no paraíso!

Depois de quicar a bucetinha no meu pau ela levantou e colocou no cuzinho, então deitou-se em cima de mim e disse: “Mete nesse cu vai safado!” Escutar aquilo com a voz de um anjo me deixou ardendo de tanto tesão, ela encolhi as pernas, e abri bem, levantei ela e enfiei com força naquele cuzinho enquanto ela virava a cabeça pra me beijar, de novo aquele beijo que me deixou nas nuvens, até que depois de um tempo metendo nessa posição minhas costas começaram a doer(idade é fogo haha) então eu disse:
– Me da de ladinho vai puta!
– Jaqueline: Claro amor, oque você quiser!
O serviço dela era tão bem feito, que eu já estava começando a acreditar que esse “Meu amor” era verdadeiro. Ela ficou de ladinho e eu enfiei devagarinho no cuzinho dela, enquanto ficava ali por trás, aproveitando o clima, fazendo um carinho na cabeça dela(fazendo carinho em puta haha), e beijando o pescoço dela, igual dois namorados no começo do namoro! Então nos beijamos de novo e ela disse, “Pode socar com força na sua putinha amor”, então ela abriu o cuzinho com uma mão enquanto virava o pescoço pra olha pra mim, e sussurrou no meu ouvido: “Me fode com força, eu sou sua puta!” Aquilo me acendeu um fogo inexplicável, soquei nela com vontade, enquanto nos beijávamos calorosamente, gozei de novo porém dessa vez foi consciente, estava num estado de puro prazer! Então permanecemos deitados depois que a chama se esfriou, nenhum dos dois falava nada, eu ainda estava sem acreditar, ficamos deitados por alguns minutos naquela mesma posição, de conchinha, eu acariciando ela e ela de olhos fechados, então ela se levantou e disse:
– Jaqueline, foi muito bom, pode me procurar quando quiser, sabe que eu só posso a noite né? das 20 ás 21 eu sou sua, não posso passar disso se não eu perco meus clientes.
Ela se vestia enquanto falava comigo, mas eu tinha tomado uma surra de cu e de buceta tão grande que não conseguia conversar. Falei apenas um “Ok”, quando fui pagar o motel eu me situei de volta a realidade, a final de contas eu tinha passado do tempo limite (2h) e fiquei meia hora a mais, a conta deu simplesmente 500 reais, pagar aquela conta fez com que eu “recobrasse a consciência” depois daquela noite absurda, e ainda inacreditável!
Por fim isso se repetiu por mais algumas vezes, até o meu irmão finalmente passar na PM de outro estado e eles se mudarem, ela decidiu que era melhor cortar contato comigo, para não levantar suspeitas, e desde então vejo ela apenas uma vez por ano no recesso de ano novo do meu irmão (Ele é do administrativo da PM-MA), sempre vem curtir a folga do fim de ano em casa, e eu reencontro o meu amor proibido por mais uma noite.

1 comentário em “A Esposa Puta do Meu Irmão”

Deixe um comentário