A tia que eu adoro

Saudações, me chamo Kleison, venho contar-lhes sobre o meu caso com minha querida tia.
Era uma tarde deliciosa, dia nublado, frio, tudo que há de bom, dia de semana, costumava ficar em casa durante a manhã, afinal eu já tinha meus 16 anos, durante o meio-dia, era o meu horário de almoço antes de ir a escola, e minha tia morava no andar de baixo da minha casa, ela quem trazia-me o almoço, ela tinha 32 anos, morena, cabelos pretos, olhos fundos e expressivos, boca carnuda, peitos e bunda mediano/pequenos, mas este conjunto a deixava gostosa, solteira, seu marido havia a traido cerca de 1 ano antes, desde então, ela encontrava-se fora de qualquer

relacionamento, portanto, vivia na carência de sexo, tudo sempre ocorreu normalmente entre a gente, porém, neste dia foi diferente, ao meio dia ela veio deixar meu almoço, eu estava na cozinha, ela deixou a quentinha em cima da pia, e disse que queria água, minha casa usavamos apenas de Frigobar, então eu falei que a água estava lá, ela com um short curtinho socado fortemente no cú, abaixou-se meio de quatro, instantaneamente meu pau ficou estralando de duro, sempre senti tesão e muita vontade de acabar com ela, de tanto comer, ela quando voltou a ficar de pé, viu-me com um grande volume no short e perguntou:

— Nossa! Kleison, o que é isso entre suas pernas?

Eu vendo sua reação de surpresa, percebi que havia gostado, então disse:

— Ah tia Rosana, é minha rola, me desculpe, peço por favor que não diga nada a ninguém, mas a senhora é muito gostosa e eu não fui capaz de controlar-me ao te ver nessa posição.

Ela então riu e disse:

— Ahh rapaz, não se preocupe, é normal na sua idade sentir atração por mulheres e não conseguir controlar essas emoções.

Logo perguntou:

— Você já namorou ou teve alguma relação sexual?

Eu com muita timidez e vergonha respondi:

— Não tia, nunca ninguém me chamou atenção suficiente para que eu corresse atrás.

Ela com uma carinha de safada respondeu:

— Hmmm, posso te ajudar na segunda opção…

A partir dali, vi o quê ela desejava, sempre esteve carente, e eu também, ela disse que estava com calor, apesar do dia frio, então a convidei para meu quarto, que tinha ar-condicionado, ela aceitou e foi na minha frente rebolando, quando chegamos no quarto, eu falei:

— Nossa tia, como seu marido conseguiu te trair? Você é muito linda…

Ela com um sorriso sexy, e mordendo os lábios, respondeu:

— Ele não sabe como tratar uma mulher, meu sobrinho, mas pelo visto vou ensinar a você…

Então ela sentou na minha cama e começou a tocar-se, disse a ela que sempre quis arrancar a roupa dela com a boca e ver a cor da sua bucetinha, sempre achei que fosse rosinha raspada, ela viu que eu estava morrendo de tesão e me deixou fazer o que sempre quis após vários beijos, finalmente vi sua bucetinha, era linda, rosada, raspadinha, bem cuidada. Pedi a ela pra chupar e morder até cansar, ela permitiu com a condição que ela pudesse fazer o que quiser depois, eu chupei e mordi com toda vontade do mundo a buceta dela, era o cara mais realizado, passei 30min mordendo e chupando enquanto ela dava leves gemidos com picos de orgasmo, quando terminei ela disse:

— Nossa! Pelo visto você não precisa ser ensinado, foi a chupada mais deliciosa que recebi na minha vida, vou querer isso mais vezes, mas agora é minha vez.

Ela me falou pra sentar na cama e então ela começou a dançar, eu com muito tesão, ela se ajoelhou no chão dentro de minhas pernas e começou a chupar e beijar meu pau, aquilo era o paraíso, após uns 10 minutos naquela cena, ela me fala pra deitar-me e então ela fica em pé na cama e devagarzinho, rebolando, vai descendo até sentar no meu pau e começar a cavalgar, aquilo era maravilhoso, era como está navegando no universo de tão surreal, eu pegava seu peito e mamava enquanto ela kikava e gemia alto, depois de 45min de transa deliciosa, eu dominei ela e coloquei de quatro puxando seu cabelo enquanto dava estocadas no cú dela, ela gritava a cada estocada, o que me dava mais tesão, depois de muitos gritos a peguei no colo igual um macaco e botei ela na parede e comecei a botar na xota dela c força e rápido, comecei a xingar ela, comecei a ficar selvagem, já dominava a situação, brutalmente depois de estraçalhar ela no pau, 3 horas de transa e préliminares eu a coloquei na cama de perna aberta e falei que ia gozar dentro, ela implorava dizendo que não, eu com receio e consciência coloquei-a de costa novamente e falei que ia gozar dentro de qualquer jeito, comecei a socar no anal com força novamente, até que desisti da ideia de gozar dentro e a botei de joelhos pra chupar até gozar na sua boca e ela engolir.

Após esse dia sempre em 1 ou 2 dia da semana ela me procurava pra fuder a bucetinha lisa dela enquanto ela gritava e gemia de tesão, foram as melhores transas da minha vida e da dela.

Deixe um comentário

CAPTCHA