Minha esposa finalmente deu pra outro

Relatei aqui em diversas ocasiões o processo de convencer minha esposa Sarah a transar com outro homem. As fantasias, vontades, frustrações. Até que finalmente rolou, nessa semana. Antes de mais nada, quero ressaltar que somos um casal real de São Paulo e temos perfil tanto aqui quanto em outros sites. Eu tenho 41 anos e a Sarah tem 33. A Sarah nunca tinha transado com outro além de mim e foi um longo caminho até ela aceitar, ter vontade e agora concretizar essa fantasia.

Apesar de termos tido algumas chateações com alguns contatos que fizemos (cara que furou, fakes e a maioria dos caras sem saber levar um papo para deixá-la à vontade), continuamos insistindo. Até que recebemos a mensagem do Renato, um homem de 44 anos, alto e de ótimo nível, bem do jeito que ela gosta. Só tinha um problema: ele era casado. A Sarah já havia me dito que não queria homens casados por não se sentir confortável com a ideia. Argumentei com ela que, se restringíssemos demais, seria mais difícil encontrarmos alguém e que não deveríamos nos preocupar tanto com a vida pessoa dos caras. Afinal de contas, era apenas sexo. Ela concordou e topou falar com ele. O papo evoluiu e passamos a conversar os três num grupo do Telegram.

Renato contou que havia saído apenas com um casal, duas vezes e que gostaria de ter um relacionamento mais íntimo, uma amizade regada a sexo. Falamos da nossa história e vontades e ele sempre se mostrava compreensivo, interessado e disposto a colocar tudo em prática. Começamos a mandar fotos da Sarah, falar dos desejos e safadezas dela, e ele continuou muito receptivo. A Sarah até me confessou que estava até ficando mais excitada pelo fato de ele ser casado. Decidimos então propor de nos encontrar na última segunda-feira pela manhã. Iríamos até uma padaria tomar um café e, se rolasse afinidade, seguiríamos em um motel próximo.

Os dias de espera foram de tensão, ansiedade e animação. A Sarah estava muito excitava e ficava molhada apenas de falar disso. Compramos juntos lingeries para ela escolher qual usaria no dia. O vestido já estava comprado e ela até então não tinha usado. Até o último momento a Sarah acreditava que ele iria desmarcar. Mas ele foi ponta firme e, no dia anterior, confirmou que nos encontraria.

No dia, a Sarah se produziu bastante e ficou linda. Um vestido preto curto, calcinha fio dental, meia calça (estava frio), sem sutiã com uma jaqueta jeans e uma echarpe vermelha. Sexy e elegante. Chegamos antes na padaria, mas em cinco minutos o Renato chegou. Felizmente ele era falante e a convers fluiu, mas todos estavam tensos. Percebi que o Renato até tremia um pouco. Mas também notei que a Sarah olhava muito para os olhos dele, sorrindo e interessada. Entramos no assunto do sexo, falamos das nossas experiências e expectativas. Aí sugeri que fôssemos para o motel e ambos toparam.

Fomos a um motel que eu e a Sarah já frequentávamos e pegamos uma suíte grande. No quarto, eles ainda pareciam um pouco sem jeito, mas o tesão estava forte no ar. O Renato sentou na cama eu eu sugeri que a Sarah sentasse ao lado dele, e fui encher a banheira. Quando olhei para trás, eles já estavam se beijando intensamente. Deixei eles à vontade, continuei enchendo a banheira e ficando mais longe. Eles começaram a tirar rapidamente a roupa, entre suspiros e respirações ofegantes. A roupa que ela tinha levado tanto tempo escolhendo e arrumando ficou poucos minutos em seu corpo. Em pouco tempo ambos estavam nus e ele começou a chupar a buceta dela. Em seguida, a colocou de quatro e lambeu seu cuzinho. Ela retribuiu e pela primeira vez colocou o pau de outro homem na boca, enquanto ele enfiava dois dedos na bucetinha da Sarah. Não aguentaram mais e ele colocou a camisinha.

Renato foi por cima da Sarah e ela finalmente sentiu um pau diferente dentro dela. Nessa hora eu já estava mais próximo e peguei a câmera para fotografar e filmar a cena. Ele começou a meter e ela a gemer gostoso. Eles fodiam com vontade e ela parecia estar nas nuvens com o tesão da situação. Eu fiquei só assistindo do meu canto enquanto eles trocavam de posições o tempo todo. Eu já achava a Sarah gostosa, mas percebi que ela ficava mais gostosa ainda dando pra outro e cavalgando numa rola dura. Depois de um tempo tirei meu pau pra fora e punhetava assistindo. Eles foderam direto por uma hora e meia, às vezes ele em cima dela, outras ela em cima dele e outras ela de quatro. Ele dava tapas na bunda dela e ela, safada, falava pra ele bater mais. A bunda branquinha dela foi ficando cada vez mais vermelha e ele dizia que queria deixar marcada.

A Sarah ficou tão à vontade que começou a me provocar, falando pro Renato que queria muito dar na frente do marido, que estava adorando transar comigo vendo. Em um momento, até me chamou de marido corno. Eu adorei, é claro.

Depois de todo esse tempo trepando, a Sarah me olhou e perguntou se eu queria alguma coisa. Antes da foda, eu e ela transávamos fantasiando a situação, e eu sempre falava pra ela que queria ver ela dando a bunda. E mais, que ela só desse a bunda para outros. Nós não fazemos anal há uns 5 anos. Ela curtia a ideia, mas não sabia se ia rolar. Mesmo assim, quando ela perguntou na hora, eu perguntei se ela queria tentar por trás. Ela se animou e perguntou se o Renato topava. Ele disse que sim. Eu fui buscar o lubrificante e entreguei para a Sarah, que passou um pouco e ficou de 4. O Renato já foi enfiando sem muita cerimônia e ela pediu pra ele ir devagar. Achei que ela ia sentir dor e desistir. Ele não esperou muito e já continuou a enfiar, e achei que ele ia estragar tudo. Mas, para minha surpresa ela não reclamou, e depois de alguma tempo disse: “vai”. Ele começou a socar com vontade e falou “agora foi”. E simplesmente passou a socar nela com vontade e ela gemendo profundamente.

Nisso, começamos a nos provocar. Eu falava: “já está dando o cu assim de primeira, sua safada?”. Ela respondia: “estou, não era isso que você queria ver?”. O Renato dizia “que cu gostoso” e continuava metendo. Às vezes ele se debruçava por cima dela, eles se beijavam, e ela empurrava a bunda para trás para sentir tudo dentro. Contei no relógio e ele comeu o cu dela intensamente por 15 minutos, até cansar e fazer uma pausa.

Outra fantasia da Sarah era levar uma gozada na cara. Eu, sabendo disso, nunca havia realizado para ser justamente mais uma coisa para incentivá-la a sair com outro. No final, ele estava mexendo na buceta dela e a chupando, para fazê-la gozar, e ela pegando no pau dele. Perguntei se ela queria realizar o desejo dela e ela disse que sim. Ele pediu para ela bater uma punheta gostosa até ele ficar no ponto e, quando estava quase lá ficou por cima dela, com o pau na altura do rosto dela. Ele logo gozou e todos os jatos de porra foram no rosto dela. Ele saiu de cima e ela ficou ali deitada, com porra na cara, sorrindo satisfeita e me olhando.

Foi uma primeira experiência incrível. Ela se sentindo realizada, finalmente sentindo na pele o tesão de outro homem por ela e eu realizado como marido corno.

Ao longo daquele dia, conversamos muito sobre a experiência. Ela ficou toda marcada e inchada, com aspecto de quem tinha sido bem usada mesmo. Eu estava supreso e orgulhoso com o jeito intenso e apaixonado com que ela fodeu um cara que havia acabado de conhecer pessoalmente. Ela falou que adorou fazer anal. E, desde então, ela vem me dizendo que quer mais, que quer transar muito. O que me faz pensar que ainda haverá muitas outras vezes…

2 comentários em “Minha esposa finalmente deu pra outro”

  1. Ola sou louco para pegar um loirinha, Brinquinho adoro olhos verde azul nunca comida uma loira ou uma branquinha dos olhos claros deve ter a buceta branquinha uma delicia, ou pegar uma novinha deve ser uma delicia, ou pegar mae e filha tambem pegar uma casada na frente do marido eita, mulher q esta ai cheia de tesÃo me chama no zap 11947841246

    Responder

Deixe um comentário